Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweet Stuff

"Who in the world am I? Ah, that's the great puzzle!"

E se ninguém conseguisse mentir?

E se ninguém conseguisse mentir? Disse ele num sussurro quando estávamos meditando nas escadas do prédio.

 

Estávamos sentados lado a lado, os joelhos roçando um no outro, na inocência dos nossos quinze anos. E agora, ao relembrar-me, chego à velha conclusão que sempre chego, o tempo passou. Meu Deus, como era tudo diferente.

 

Pensei no assunto por uns instantes e questionei-me acerca da origem daquela questão. Tu levantaste um pouco o queixo, semicerraste os olhos e suspiraste.

Sabes, se ninguém conseguisse mentir, toda a gente seria sincera e verdadeira, o que não é necessariamente bom, nem particularmente mau.

E aí tu pedirias para eu explicar e eu explicaria. Eu explicaria que as pessoas não teriam vergonhas, não teriam medos, eu explicaria que elas continuavam a ter duas opções. Elas poderiam dizer a verdade ou poderiam omitir. E tu protestarias e dirias que omitir era tão mau como mentir. E eu confirmaria e diria que sendo assim a alternativa seria dizer a verdade.

 

E qual é a verdade?

Sempre com perguntas difíceis de responder, olhei para o chão por uns momentos, e não tinha resposta. Diz-me tu.

Tossiste levemente e começaste a falar num tom baixo com os olhos postos no infinito.

Todas as sextas sentamo-nos aqui como dois velhos e falamos sobre tudo. E a verdade é que às sextas eu amo-te um pouco mais, estamos aqui sentados e é como se o tempo parasse por um bocado. É sexta-feira e esquecemo-nos da semana que passou e não pensamos que irá haver outra. A vida para e eu quase que desejo que fiquemos presos nestas escadas para sempre.

Se ninguém conseguisse mentir Belle, se a única alternativa fosse dizer a verdade, então, então talvez tu pudesses-me dizer o que eu sei que é verdade, porque só pode ser verdade, talvez tu dissesses, que me amas também.

 

 

Enquanto ajeito as rosas da tua campa, sento-me de pernas cruzadas na relva ainda molhada. Lembraste quando meditávamos nas escadas do prédio?

E se ninguém conseguisse mentir? Era o que tu me perguntavas.

 

Eu inventaria a mentira, por ti. Iria ter contigo às escadas do prédio todos os dias da semana, e quando estivéssemos os dois com os joelhos lado a lado, roçando um no outro, eu encostar-me-ia ao teu ouvido para te sussurrar aquelas palavras que pelo menos num dia eram verdade. As que deviam ser verdade todos os dias.

“Hoje é Sexta-Feira”. 

 

* Este é outro dos textos que fiz para o campeonato de escrita de que vos falei há tempos, o tema desta jornada correspondia ao título deste post. Gostavam de continuar a ver os textos que fiz para este campeonato? :)*                    

ABOUT ME

Sonhadora a tempo inteiro & blogger em part-time. Adora livros, antiguidades e flores na cabeça. Escreve textos pseudo-românticos quando está para aí virada. É fã de dançar ballet na cozinha e cantar no chuveiro. O seu pé direito insiste em ser torto e não há como o emendar. Nunca diz que não a uma chávena de chá.
(+ sobre mim)

DAILY LOVE

Read the Printed Word!

2017 Reading Challenge

Dizzy Lizzie has read 0 books toward her goal of 10 books.
hide

PARTNERS

WOOK - www.wook.pt

SPREAD THE LOVE!

SweetStuff