Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweet Stuff

Neste blog fala-se sobre livros, viagens, ballet e muito mais.

Seg | 29.04.19

UM LIVRO QUE TE FAÇA APROXIMAR DA NATUREZA 🌻

read the year maio.png

 

Este mês o desafio de leitura #readtheyear tem como tema: ler um livro que te faça aproximar da natureza.

Em princípio escolherei ler o Jardim Secreto de Frances Hodgson Burnett, mas como gosto muito desta categoria listo abaixo mais algumas sugestões que se enquadram. São todos livros que estou curiosa para ler (e todos escritos por mulheres 🙌 ). 

Podem também descobrir mais sugestões de livros relacionados com a natureza nesta lista

 

🌸 Um livro que te faça aproximar da natureza - sugestões 🌸

 

🐦 A Invenção da Natureza, Andrea Wulf (não-ficção)

🐦 A de Açor, Helen Macdonald (não-ficção)

🐦 Birds, Art, Life, Death, Kyo Maclear (não-ficção)

🐦 The Bear and the Nightingale, Katherine Arden (ficção)

🐦 O Jardim Secreto,  Frances Hodgson Burnett (ficção)

 

Que livro escolheriam para esta categoria? Se também aderirem ao desafio utilizem a tag #readtheyear para eu ver os vossos posts.

Boas leituras! 📚

Qui | 25.04.19

TAG | 7 LIVROS DA MINHA VIDA

Esta tag foi criada pela Sofia do blog Sofia World e desde o ano passado que estou para a fazer. Como mais vale tarde do que nunca, cá vão as minhas respostas!

Cópia de TBR para março.png

 

O livro que tenho há mais tempo

Muito provavelmente os livros da Enid Blyton (qualquer um das colecções O Colégio das Quatro Torrres e/ou O Mistério). É uma das minhas autoras preferidas e marcou muito a minha infância.

 

O livro que tenho há menos tempo

Como já referi algumas vezes o único livro que comprei este ano foi o Educated da Tara Westover e é, por isso, o que tenho há menos tempo.

 

O livro que li mais vezes

Fácil de adivinhar para quem me acompanha. Alice no País das Maravilhas de Lewis Carroll. Já perdi a conta de quantas vezes li este livro. É uma história muito especial para mim e um dos meus livros preferidos de sempre. Para quem estiver curioso partilhei todas as edições que possuo desta obra neste post e neste também

 

O livro que emprestei e não voltei a ver

Nenhum. Porquê? Porque eu sou uma pessoa horrível e não empresto livros.

 

O livro que já devia ter lido

Imensos! Assim de repente vem-me à cabeça o Agnes Grey da Anne Brontë. É a única irmã Brontë que ainda não li e quero começar com este.

 

O livro com mais valor sentimental

Um dos livros que tem mais valor sentimental para mim é o Principezinho de Antoine de Saint Exupéry, pois foi o primeiro livro em que me lembro de chorar quando acabei de ler. Era também o livro que o meu pai me lia todas as noites quando eu era pequena.

 

O livro que foi uma autêntica pechincha literária

Todos os que comprei em segunda mão, como A Morte de Ivan Ilitch do Tolstói que, se bem me lembro, me custou 1€. 

 

Que livros escolheriam para responder a estas perguntas?

Qua | 24.04.19

FEIRA DO LIVRO DE LISBOA | LIVROS DEBAIXO D'OLHO

Quem me conhece sabe que não sou de fazer grandes planos para a Feira do Livro, muito menos a um mês do evento - altura em que ainda nem temos site em funcionamento, livros do dia, etc. - maaaaas como este ano ainda só comprei um livro (sim, eu sei, impressionante) estou um bocadinho em pulgas para a feira, por isso partilho abaixo alguns livros que tenho debaixo de olho.

feira do livro.png

 

O livro "se só levar um terá de ser este"...

História da Menina Perdida de Elena Ferrante. O último volume da tetralogia. Espero que vá para hora H. 

 

O livro "esgotado que quero encontrar num alfarrabista"...

A Odisseia de Homero nas edições Cotovia. Podem rir, porque encontrar isto por lá será um totoloto, mas eu tenho esperança. Não quero a nova edição, não, quero é esta para fazer pandã com a minha Ilíada e ficarem as duas lindas na estante. *fingers crossed*

 

O livro "que podia requisitar na biblioteca, mas sou esquisita com traduções"...

Vocês já devem conhecer o meu historial com traduções. Em resumo - sou uma esquisitinha. Para ler os russos, sou fiel às traduções dos Guerra (e António Pescada, de quando em vez), por isso quero muito comprar o primeiro volume do Guerra e Paz da Presença. Outra opção é comprar o Anna Karénina (que já li, mas emprestado).

 

Já têm planos para a Feira do Livro de Lisboa? Que livros têm na vossa lista de desejos?

Ter | 23.04.19

DIA MUNDIAL DO LIVRO | PROMOÇÕES E ACTIVIDADES

dia mundial do livro 2019.png

 

Promoções:

A WOOK está com 20% em tudo e portes grátis (inclui novidades). 

A Bertrand está com 20% a 50% de desconto imediato em compras efectuadas no site

 

Actividades:

Marcha pela leitura nas ruas de Lisboa.

Hora do Conto na livraria Bertrand da Guarda.

Divulgação dos vencedores do Prémio Livro do Ano Bertrand.

Mapa das actividades dinamizadas pela rede de bibliotecas públicas do país.

 

Boas leituras! 📚

Qua | 10.04.19

LIVROS COM CAPAS BONITAS #1 | COLECÇÃO SISTERHOOD

Em celebração do Dia Internacional da Mulher, surgiu este ano a colecção Sisterhood que pretende celebrar alguns dos livros mais icónicos escritos por mulheres ao longo da História.  

 

Win Sisterhood collection of books

 

Os seis livros que fazem parte desta colecção são:

Little Women (Mulherzinhas)

Pride and Prejudice (Orgulho e Preconceito)

Anne of Green Gables (Ana dos Cabelos Ruivos)

The Railway Children 

A Little Princess (Uma Princesinha)

Heidi

 

Já leram algum destes livros? Quais são os livros mais bonitos da vossa estante?

Seg | 08.04.19

O QUE LI NO #MARÇO FEMININO

wrap up março.png

 

A História Secreta: o primeiro livro que li em Março foi uma leitura que já tinha iniciado em Fevereiro. Gostei do liro, mas não achei incrível. Podem ler a minha review completa aqui.

 

Educated: Este foi o livro que escolhi para o desafio #readtheyear do mês. Estava com expectativas altas e não foram goradas. Gostei muito deste livro e recomendo a toda a gente.

 

A Mágica da Arrumação: De seguida li este bestseller de Marie Kondo. Fiquei agradavelmente surpreendida e expliquei mais sobre o que aprendi com este livro neste post.

 

Harry Potter: Decidi pegar numa leitura mais leve e reler o primeiro volume da saga Harry Potter. Foi uma leitura que me aqueceu o coração. Falei um pouco sobre como reler este livro me fez sentir neste post

 

L'élégance du hérisson: O último livro que terminei em Março foi provavelmente a surpresa do ano. Já tinha percebido pela review da Alexandra que seria provável gostar desta história, mas nunca pensei que fosse me identificar tanto. Simplesmente adorei. 

 

Planos para Abril incluem: continuar o projecto #readtheyear, participar no Festejar o Livro da Cláudia e continuar a reler a saga Harry Potter. 

 

Boas leituras! 📚

Qua | 03.04.19

VAMOS FINGIR QUE ISTO É UM RASCUNHO

Estar deprimido é...

querer escrever um post sobre livros e coisas felizes, mas não conseguir, porque há algo mais importante para falar. Algo que nos incomoda há demasiado tempo.

...é ter ataques de pânico constantes e desejar, por breves momentos, deixar de existir.

...é não procurar ajuda para os nossos problemas, ou preocupações por considerar a nossa dor inválida e irrelevante.

...é passar do extremo de dor irrelevante para gritar ao telefone com pessoas de quem gostamos sobre como elas não nos compreendem, nem nunca vão compreender.

...é sentir uma vergonha e repulsa enorme do nosso comportamento ao telefone. Na verdade é sentir repulsa por toda a nossa existência.

...é sentir-se culpado por chorar.

...é sentir que estamos sempre a errar sempre a errar sempre a errar sempre a errar sempre a errar.

...é ter zero auto-estima.

...é ter medo de tentar fazer algo, porque julgamos estar condenados à partida pelo simples facto de sermos NÓS MESMOS e não outro a fazê-lo.

...é não termos noção de que alcançámos coisas incríveis.

...e que até somos pessoas decentes.

...e que procurar ajuda não é ser dramático.

...e que cada um é diferente.

...e lida com situações idênticas de forma distinta.

...é estar cansado de ouvir os clichés citados acima e, ainda assim, precisar de ouvi-los, porque ainda que repetidos como mantras diariamente, não chegaram a ser interiorizados.

...é sentir que o mundo é uma coisa horrenda e não há nada pelo qual estar grato.

...é sentir culpa aqui e agora por estar a escrever este post e não o outro sobre livros.

...é sentir desespero.

...é partir lápis de cor ao meio e chorar durante meia-hora, porque esses lápis até davam jeito.

...é não saber para onde ir, sentir-se sozinho sozinho sozinho, achar que mais ninguém alguma vez sentiu o mesmo, achar-se estranho, incompreendido e inútil.

...é precisar de um abraço 24 horas por dia.

...é sentir-se um fardo para aquelas que nos amam.

...é sentir um certo orgulho por escrever este post e não o outro sobre livros.

Porque talvez alguém o leia e deixe de se sentir tão sozinho na sua depressão.

Pág. 1/2