Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweet Stuff

Neste blog fala-se sobre livros, viagens, ballet e muito mais.

Ter | 27.08.19

VI 'O REGRESSO DE MARY POPPINS' E...ODIEI?

O Regresso de Mary Poppins (2018)

 

Aviso à navegação: não me sinto confortável em vir para aqui falar sobre filmes.

 

A questão é que eu não sou uma especialista na matéria e não tenho a eloquência de alguém como a Inês

Na verdade, sempre me identifiquei com o nome da rubrica de cinema da Mula: "uma espécie de review de alguém que não percebe nada disto." Com os livros sinto-me mais à vontade, porque consumo mais, mas com os filmes nem por isso.

Ainda assim, depois de ver O Regresso de Mary Poppins, senti-me na necessidade de vir aqui desabafar, por isso cá vai.

 

Tenho de começar por dizer que eu gosto de filmes de animação. Considero-me alguém pouco snob em relação a filmes com orçamentos milionários como os dos estúdios da Disney. Fico sinceramente feliz por haver dinheiro para fazer coisas em grande escala e bem feitas que, com orçamentos menos chorudos, nem sempre se consegue.

E gosto de musicais. Não adormeço em musicais. Não me aborreço com as cantorias. Sei as letras de cor do My Fair Lady, Singing in the Rain, The Sound of Music, The Wizard of Oz,  entre tantos outros. 

E, ainda que não tenha visto muitos, não desgosto dos filmes musicais modernos. Gostei das músicas do A Star is Born de 2018. Aprecio a banda sonora do La, La, Land (2016). Adoro, adoro e adoro o Into the Woods (2014). 

 

Em suma, posso dizer que musicais são a minha "cena". 

 

Por isso, tinha todas as razões para pensar que ia gostar deste regresso da Mary Poppins. Estava convencidíssima que sim. Já me tinha comprometido a não comparar a Emily Blunt com a Julie Andrews, nem tentar criar paralelos entre os dois filmes. Fui de cabeça arejada e expectativas moderadas.

Detestei. 

Tentei perceber, porque é que não me estava a agradar e depressa compreendi.

Não há magia.

Não senti aquela magia que os musicais nos despertam, aquele suspiro quando nos lembramos da infância e de um mundo mais simples, de um ritmo mais lento.

As canções sucediam umas às outras, sem dar tempo de nos conectarmos com as personagens, ou perceber os seus motivos. A Mary Poppins pareceu-me um tanto ridícula. Um sotaque incrivelmente posh sim, mas nada de místico, ou particularmente surpreendente acerca desta personagem tão icónica.

Eu, que nunca adormeço em filmes, dei por mim com sono, a pensar quando é que ia acabar...

 

Se ainda não viram o filme, não se desiludam! Não só estou longe de ser uma autoridade em cinema, como faço claramente parte de uma minoria - o consenso geral em relação ao filme parece ser muito positivo

No entanto, para mim, pura e simplesmente não resultou. Talvez tenha sido CGI a mais e humor a menos, mas nem o Dick Van Dyke me conseguiu salvar este filme.

 

Entretanto, vou-me resignar a ser uma nostálgica puritana e voltar a ver o Mary Poppins de '64 - o único que me faz verdadeiramente sonhar. 

Qui | 22.08.19

BOOK TAG | REGRESSO ÀS AULAS 📚

Setembro lembra-me sempre o regresso às aulas, altura em que  ficava super entusiasmada por renovar o meu material escolar e rever os meus amigos.

Ainda que já não tenha férias de três meses, continuo a adorar esta época do ano *sim, eu acabei de dizer que adoro a rentrée, não me matem* , por isso quando encontrei esta tag neste blog não resisti, deicidi traduzi-la e adaptei algumas perguntas. Vamos às respostas?

regresso as aulas.png

1. Português (ou Língua Estrangeira) - um autor que escreve num estilo que adoras.

Elena Ferrante. Adoro as descrições, os adjectivos jorrados uns atrás dos outros, mas que acabam por se equilibrar tão bem, as frases curtas e lacerantes - adoro tudo na escrita dela.

 

2. Matemática - um livro que te deixou frustrada.

Vou-me repetir, mas eu juro que não compreendo como é que A Verdade sobre o Caso Harry Quebert é considerado um bom livro. Humm, basicamente começou bem, mas despois descarrilou de tal forma, que só me apetecia gritar com o autor e retirar-lhe o Prix Goncourt . 

 

3. Ciências - um livro que te deixou a pensar, ou que te fez questionar a forma como vês o mundo.

Uma Educação da Tara Westover. Deixou-me a pensar o quão privilegiados somos por puder ir à escola, por puder aprender e (pelo menos no meu caso) por ter crescido num lar feliz.

 

4. História - o teu livro preferido passado noutra época.

É um bocainho impossível escolher só um, mas, assim de repente, o Mulherzinhas da Louisa May Alcott - amor de irmãs, amor de família e amor-próprio. As lições deste livro são incontáveis e aquece-me o coração só de pensar nestas meninas. 

 

5. Desenho/Artes Visuais - o teu livro com ilustrações preferido (infantil, graphich novel, bd, etc)

Vamos concordar em *pelo menos* dois, ok? As edições ilustradas de Harry Potter que são um mimo e o Bibliophile da maravilhosa Jane Mount. Este último é um livro sobre livros e é um verdadeiro regalo para os olhos. 

 

6. Hora de Almoço - Um prato de um livro que adorarias experimentar.

Adoraria puder comer todos os bolos e biscoitos que a Enid Blyton descreve nos seus livros. Chocolate, morango, tarte merengada de limão, enfim escusado será dizer que estes livros me dão fome. 

 

7. Chegar a casa depois das aulas - Um livro com um efeito relaxante.

Para mim, os livros mais relaxantes são aqueles que já lemos várias vezes e, por isso, nos trazem uma sensação de conforto. Escolho o meu eterno favorito: Alice no País das Maravilhas. 

 

Passo a tag à Sara, Rita, Inês e todos aqueles que quiserem fazer. :) 

Qua | 14.08.19

ÚLTIMAS LEITURAS & ALGUMAS REFLEXÕES 📖

111_1600_c.jpg

Ilustração de Holly Maguire

- Comparativamente ao ano passado, 2019 tem sido um ano de muitas e boas leituras. Acho que até agora a minha única frustração valente foi o Harry Quebert. Sem o saber, a Sara acabou por explicar por que é que eu detestei este livro quando escreveu este post

 

- O último livro que li e que adorei foi o Reasons to Stay Alive (Razões para Viver em Portugal) de Matt Haig. Encontrei este livro quando estava de férias e devorei-o em dois dias. Um forte concorrente para melhor livro do ano.

 

- Terminei o Atonement (Expiação por cá, mas está esgotado) do Ian McEwan e, apesar de não ter sido tão espectacular como toda a gente me dizia que seria, a escrita do autor é in-crí-vel

 

- A Cristina foi uma querida e enviou-me A Livraria. Chegou há uns dias no correio e vou lê-lo assim que puder. No blog dela também podem encontrar uma lista com sugestões de livros curtinhos, bons para ler num dia de praia e todos escritos por mulheres. 

 

- Estou a tentar não ficar com expectativas ridículas para o Normal People da Sally Rooney, ma está a ser complicado. Todas as miúdas giras da blogosfera - em cuja opinião confio - leram e adoraram. Primeiro foi a Inês, depois li o post da Rita, depois apercebi-me que a Rita do Claro como a Água também tinha adorado e agora li o post da Beatriz e adivinhem? Também adorou. A amargura será grande se não gostar.

 

E vocês, o que têm lido?

Sex | 09.08.19

DOS POSTAIS DAS FÉRIAS 📬

40756796_2078747762143560_76979405668405158_n.jpg

 

Já fui de férias e já voltei (chorem um bocadinho comigo) e, como é meu hábito, comprei alguns postais.

Gosto de escolher postais para mim sempre que vou de férias, porque faço colecção e acabo sempre por comprar outros com o intuito de enviar à Lera (a minha penpal russa).

No entanto, acontece-me sempre a mesma coisa. Esqueço-me de comprar os selos e só os envio quando já voltei a casa... 

Ainda assim, não deixa de ser um ritual de férias que adoro e que me enche o coração. Lembrar-me dos sítios onde fui, as coisas que vi e descrever essas experiências a alguém que mora a milhares de quilómetros de distância de mim. 

Alguém por aí que ainda envia postais?  :)

Qui | 08.08.19

#READ THE YEAR | O LIVRO DE AGOSTO

Este mês o desafio de leitura #readtheyear tem como tema: Escolhe um livro que conte uma história de emigração.

agosto read the year.png

 

Este é um dos temas mais específicos do desafio até agora e acho que vou aproveitar para requisitar da biblioteca o Porque Escolhi Viver da Yeonmi Park: a história de uma jovem que fugiu com a família da Coreia do Norte. É um tema pesado e talvez seja por isso que tenho adiado a leitura, mas quero experimentar. 

 

Que livro escolheriam para esta categoria? Se também aderirem ao desafio utilizem a tag #readtheyear para eu ver os vossos posts.

Boas leituras! 📚