Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweet Stuff

Neste blog fala-se sobre livros, viagens, ballet e muito mais.

Qui | 25.06.20

TAG DOS 50% (2020) 📖

Estamos a meio do ano e, como já é habitual, trago uma tag que nos convida a fazer um balanço literário deste primeiro semestre de 2020.

pexels-photo-1526049.jpeg

 

1- O melhor livro que leste até agora, em 2020.

Escolha difícil. Este ano tenho lido muita não-ficção e tenho feito várias releituras. Ainda assim, de ficção diria o The Guernsey Literary and Potato Peel Pie Society, porque não estava à espera de gostar tanto e foi mesmo uma história enternecedora, lida na altura certa.

 

2- A melhor continuação que leste até agora, em 2020.

O Segundo Ano no Colégio das Quatro Torres  foi a única continuação que li até agora, mas, como já seria de esperar, adorei. Reler estas histórias em audiolivro tem sido um deleite e este volume sempre foi dos meus preferidos da colecção. 


3- Algum lançamento do primeiro semestre que ainda não leste, mas queres muito.

Recollections of My Non-Existance da Rebecca Solnit.

 

4- O livro mais aguardado do segundo semestre.

Vocês sabem que não sou de acompanhar lançamentos, mas A SUSANNA CLARKE ESCREVEU UM NOVO LIVRO!!! Adorei o seu Jonathan Strange & o Sr. Norrell e tenho altas expectativas para este (e pensar que há pessoas que estão à espera deste momento há 16 anos😲). Piranesi irá sair em Setembro e dizer que estou entusiasmada é pouco. 

 

5- O livro que mais te decepcionou este ano.

O The Princess Bride desiludiu-me um pouco. Não que seja um mau livro, antes pelo contrário, é super engraçado e gostei da ideia de criar uma história dentro da história. O problema foi mesmo ter lido a sequela (sem me aperceber que era uma sequela) e a certa altura as constantes interrupções do Goldman também me começaram a enervar.   

 

6- O livro que mais te surpreendeu este ano.

O The Year of Living Danishly da Helen Russell surpreendeu-me bastante. Estava à espera de uma abordagem algo superficial ao tema, mas acabei por aprender imensa coisa sobre a Dinamarca e a problemática questão de medir a felicidade de cada país. Mais um daqueles casos de livro certo na altura certa. 


7- Novo autor favorito (que lançou o seu primeiro livro este semestre ou que conheceste recentemente).

Fiquei fã da Kyo Maclear com o seu Birds, Art, Life, Death que li entre Fevereiro e Março deste ano. 

 

8- A tua paixoneta mais recente por uma personagem fictícia.

Não tenho.

 

9- A tua personagem favorita mais recente.

O Sidney d'A Sociedade Literária da Tarte de Casca de Batata

 

10- Um livro que te fez chorar neste primeiro semestre.

Não me lembro se chorei propriamente, mas fiquei muito comovida com a biografia da Frida Kahlo de María Hesse.  

 

11- Um livro que te deixou feliz neste primeiro semestre.

Livro da Alegria


12- Melhor adaptação cinematográfica de um livro que assististe até agora, em 2020.

Vi o Tolkien com o Nicholas Hoult e não desgostei. Ainda que certas partes sejam demasiado cliché e descabidas, demonstra bem o génio deste autor, assim como a inspiração por detrás do seu Senhor do Anéis.  

 

13- A tua opinião favorita desse primeiro semestre (escrita ou em vídeo).

Mais uma vez dava para enumerar imensa coisa, mas destaco dois posts da Inês. Este sobre Deborah Levy (uma autora que desconhecia e fiquei interessada para ler) e esta opinião sobre Viagem ao Sonho Americano (que só me fez ter ainda mais vontade de comprar este livro).

 

14- O livro mais bonito que compraste ou recebeste este ano.

A minha nova edição da Alice com ilustrações do estúdio Minalima. 

 

15- Que livros precisas ou queres muito ler até ao final do ano?

Preciso de ler O Ano da Morte de Ricardo Reis, que é um dos Saramagos que tenho há mais tempo na estante. Também gostava de pegar em alguns calhamaços da minha TBR como o SPQR, ou o Mary Queen of Scots

 

E vocês, como têm sido as leituras do vosso 2020, até agora?

Ter | 23.06.20

LER OS CLÁSSICOS | RESUMO 2º TRIMESTRE 📚

7ae40159ab3dc11fd6b79a0aadf5420b.jpg

 

O segundo trimestre do ano está a chegar ao fim e, por isso, trago-vos um resumo das leituras que fiz para o desafio Ler os Clássicos organizado pela Bárbara.

 

📖 Abril: um clássico traduzido

Em Abril, com o mote de clássico traduzido, quis me aventurar na literatura francesa. Era para ler Balzac, mas acabei por fazer releitura d'A Volta ao Mundo em 80 Dias de Júlio Verne (que li pela primeira vez há uns dez anos!). Já não me lembrava de grande coisa, mas foi uma releitura tão divertida como esperava. O final continua a deixar-me imensamente feliz. O único problema grave deste livro são mesmo as descrições colonialistas, da época. 

 

📖 Maio: um clássico do século XX

Enquanto em Março e Abril a realidade da pandemia não me afectou assim tanto a nível mental, em Maio fui-me mais abaixo. Foi, por isso, um mês em que me deu uma vontade enorme de continuar a reler livros (coisa rara para mim). Para o desafio peguei no meu livro infantil preferido de Sophia: A Floresta. Foi uma leitura curtinha e fluída que me deixou de coração cheio e me fez recordar como, em criança, ficava tardes inteiras a ler sem me preocupar com mais nada. 

 

📖 Junho: um clássico de fantasia, ou ficção-científica

Em Junho, voltando a ter scribd, quis atacar o calhamaço que é o Apollo's Angels de Jennifer Homans: um livro de não-ficção de 672 páginas sobre a história do ballet. Estou a ouvir em audiolivro (e a adorar), mas tenho tido alguma dificuldade em me concentrar e em encaixar outras leituras pelo meio. Ainda assim, fiz a minha releitura anual d'Alice que acabei por incluir neste desafio. Encontrei uma nova edição com ilustrações maravilhosas do estúdio Minalima e acabei por a comprar. Podem ver o quão lindo o livro é neste vídeo

 

E vocês, o que têm lido? :)

Seg | 15.06.20

A CONTÍNUA INVISIBILIDADE

Já (quase) desisti de verificar os títulos presentes nas listas de "melhores clássicos de todos os tempos" e de "livros a ler, antes de morrer." Poupa-se desilusões. 

No outro dia fui toda lançada ver as sugestões do Plano Nacional Leitura e a desilusão repetiu-se. Dos 40 títulos sugeridos, só três eram escritos por mulheres. Custa-me muito a crer que não conseguissem, dentro do que consideram ser "alguns dos melhores livros de sempre", incluir mais autoras. 

Entretanto, com a leitura num ritmo mais vagaroso, tenho assistido a um programa infantil da RTP2 intitulado Destemidas. Em cada episódio (curtinho, só uns 3 minutos), destaca-se uma mulher diferente, mostrando como contribuiu para a História (e como dela foi apagada).

Uma forma maravilhosa de combater a contínua invisibilidade do feminino. 

destemidas_site-765x426.png

via RTP

Qua | 03.06.20

LEITURAS DE VERÃO PROCURAM-SE 📖

Nunca fui muito de "ler por estações", ou ler livros mais complexos no Inverno e livros mais leves no Verão.

Ainda assim, a verdade é que, ainda em processo de desconfinamento e com os dias de calor que temos tido, tenho vindo a procurar livros que me transportem para climas quentes, aquelas leituras envolventes que conseguimos devorar em um, ou dois dias de praia.

Não sou pessoa de thrillers e também não ligo muito a romances previsíveis, mas gosto de um bom livro com mistério, romance, ou nenhum dos dois, desde que me deixe de coração cheio e maravilhada depois de o ler. 

Descobri alguns títulos que me parecem interessantes, mas peço humildemente a vossa contribuição para adicionar mais livros a esta lista (autoras protuguesas, poesia, não-ficção, digam de vossa justiça!). 

woman20reading20in20hammock0001.jpg

 

Pág. 1/2