Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sweet Stuff

livros, música e desabafos vários.

18.08.22

DESFRAGMENTANDO

Escrevo isto com post-its espalhados pela secretária, um chá já frio à minha direita e uma vontade desmesurada de ignorar responsabilidades e ir fazer um bolo. Depois de uma primeira metade do ano a sentir-me fragmentada, tento agora iniciar o processo inverso, de coesão, de união, de inteireza. Por isso regresso ao blog, o espaço que sempre utilizei para registar os caquinhos de que sou composta. A minha cabeça ansiosa continua dividida entre projectos a concretizar, desolamento (...)
09.05.22

QUANDO O MOTIVO ME ENCONTRAR

vou pensar em assentar

E o quão bom é ter um dia ok depois de dias de total desespero? Conseguir assentar a mente macaca depois de um furacão mental? Bem bom, como diriam as Doce. Há coisas que nunca mudam e Maio é uma delas. Mês de aniversários, sol, mais trabalho, sim, mas também de sonhar acordada com a perspectiva de férias. Quando consigo reconciliar-me com o facto de que a minha vida será sempre altos e baixos e manutenção constante, permito-me ser feliz. Nos momentos mais angustiantes vou-me (...)
19.04.22

VENTOS DE MUDANÇA 🍃

Fotografia: Chloe Aftel Cansada, mas ainda ando por aqui. A ler coisas (algumas desilusões, outras surpresas agradáveis), a enganar-me em datas de aniversário (fazendo um eye roll a mim própria) e a cuscar os vossos blogs nas brechas do quotidiano. Depois de uma pausa para a Páscoa, entrei em ritmo frenético e ainda me estou a tentar ajustar novamente à realidade. Lembro-me muitas vezes daquela frase da Annie (...)
02.03.22

BAGAGEM EMOCIONAL

  As pessoas falam do processo de cura emocional como se fosse linear. A verdade é que é um comboio que ora vai adiante, ora recua. Há dias em que não só quero que o comboio pare, como quero muito voltar atrás. Nessas alturas, fico presa ao passado e a velhos hábitos prejudiciais. Podem ser nocivos, mas são familiares, por isso é fácil agarrar-me a eles. Por fim, surge algo que nos puxa de volta ao aqui e agora. Entramos novamente no comboio, mais calmos, mais acidentados, mas (...)